Voltar para o topo

Pensamento do dia:

Se as coisas são inatingíveis, não é motivo para não querê-las. Que tristes seriam os caminhos sem a mágica presença das estrelas.

Mário Quintana

Quando morre um Dragão

Arquivado em poesias | 2.726 visitas | Tags: ,

Um Dragão pode existir uma eternidade

ou viver um único momento.

E em sua vida,

é capaz de conquistar mais tesouros

do que pode carregar consigo.

Ainda assim, é incansável:

Expande, irradia, fascina,

como o trovão que irrompe na tempestade.

Para o mundo,

o Dragão aparece como um vendaval

e some tão rápido como a névoa do amanhecer

que se desfaz com os primeiros raios de sol.

Não se deve tentar entender o coração de um Dragão,

porque ou ele é sábio ou é selvagem.

E em ambos,

sua voz sempre ecoa longe

e seu olhar vasculha a Alma de tudo o que vê.

Todo Dragão selvagem morre cedo.

Houve um que encontrou seu destino

ao invadir um mundo obscuro

onde a doença do medo consumia tudo que havia.

Primeiro, a descoberta.

E na noite brilhou uma nova estrela.

Depois, a fúria.

Ele apostou a vida na batalha

e descobriu que nem assim poderia vencer.

O céu desabou em forma de tempestade

e os trovões entoaram um canto de morte e solidão.

Por um momento,

o Dragão descobriu o medo

e algo em seu coração mudou.

Ao fim, a compreensão.

Ele entendeu o sofrimento da vida

e a dor de um poeta.

Sentiu a culpa do mundo

e sua fúria se apaziguou.

O temor e o fulgor, se apagaram.

E, imitando o céu,

aprendeu a chorar.

Cada lágrima que derramou

lavou sua Alma de tudo que tinha vivido.

E assim sentiu

que era o momento do Dragão selvagem morrer.

De joelhos, sentiu sua força escapar

e sua vida se consumiu.

E do ventre da velha criatura,

nasceu uma criança,

com a promessa de tornar-se Homem

e nele pulsar o coração do Dragão.

Afinal, os Dragões jamais morrem de fato

apenas se humanizam.

E onde existiu o ímpeto,

agora existe a prudência

que aos poucos se converte em perseverança

e assim o Homem abre espaço

para que nasça o Sábio Dragão

e tome posse de seu trono.

Todo Dragão de Sabedoria é imortal.

E dizem que cada trovão que grita na tempestade,

é a voz de um Sábio Dragão

que descobriu seu valor e encontrou a Verdade.

 

Autoria: Roger Alves

Comentários

  1. Li, reli, meditei, refleti,
    Belissimo texto, de verbo franjado de ouro e púrpura, inspirador!
    Gostaria de saber o autor, para que, desde já, parabeniza-lo.
    Aos buscadores da Luz, nas Trevas do Dragão, um fraterno abraço.

    Alexandre Antony em 31 de agosto de 2011 às 1:47 am

  2. Olá Alexandre! Muito obrigado pelo elogio! Eu tinha esquecido de colocar a autoria. Já está corrigido. Um grande abraço pra você também!

    Revolução Interior em 31 de agosto de 2011 às 10:27 am

  3. Querido mano, nem sei porque fiquei surpreso quando li agora ser de sua autoria, já que seus outros poemas também são impregnados de sabedoria, lucidez e beleza.
    Exorto que siga publicando e brindando-nos com essas pérolas forjadas no coração do Dragão.
    Manda pro Douglas pra ele publicar no blog dele (que é excelente!)
    Receba um triplice e fraternal abraço.

    Alexandre Antony em 2 de setembro de 2011 às 12:43 am

  4. Entrou no Fogo..:)

    cristina em 5 de setembro de 2011 às 7:19 pm

Deixe um comentário





Bem vindo, visitante!

Cadastre-se em nosso site e tenha acesso a:

  • Área restrita com conteúdos exclusivos
  • Novidades no seu e-mail
  • Descontos e promoções em cursos


Mapa do Site

Fale Conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem