Voltar para o topo

Pensamento do dia:

Saber exatamente qual a parte do futuro que pode ser introduzida no presente é o segredo de um bom governo.

Victor Hugo

O jardim da felicidade

Arquivado em Contos | 3.435 visitas | Tags: ,

Certa vez, um velho andarilho sonhou que passeava em um campo que se estendia infinitamente, em todas as direções, repleto das mais variadas flores. Havia um colorido surpreendente, vivo, e um aroma delicioso se espalhava pelo ambiente.

Depois de muito caminhar,  encontrou um jardineiro e então se aproximou e perguntou de quem era aquele jardim.

– Eu ganhei este presente de meus amigos e desde então tenho cuidado dele, para que todas as pessoas pudessem se beneficiar de suas maravilhas, exclamou o jardineiro.

– Eu nunca encontrei em toda minha vida tanta beleza… estar neste lugar me traz uma felicidade que eu nunca experimentei, disse o senhor.

– Você nunca viu algo semelhante porque este jardim representa as virtudes que conheci na vida… aqui estão reunidos todos os tesouros que o homem pode conquistar em busca de sua própria verdade. Cada flor representa uma lição diferente. As mais coloridas, representam os momentos em que as ações resultaram em grandes triunfos. Também há flores que não são tão belas, mas que possuem um aroma maravilhoso. Essas representam os momentos em que os erros conduziram a grandes sofrimentos, mas que através dessa experiência, produziram grandes transformações. Também há flores que trazem o aroma da amizade, do amor, da curiosidade, da inocência, do perdão, enfim… aqui estão todas as flores que o Criador plantou em algum lugar da criação e que pouco a pouco foram povoando o meu jardim.

E então disse o andarilho, pesaroso:

– Sabe, eu gostaria de ter algumas dessas flores no meu jardim. Ao longo da minha vida faltou boa parte desse colorido e o tempo se encarregou de me deixar ainda mais sombrio.

E o jardineiro, compassivo, respondeu:

– Com todos acontece igual. Mas como eu disse, este lugar foi criado para beneficiar a todos que dele se aproximam. Escolha as melhores flores para ter em seu jardim.

E exclamou o velho, ansioso:

– Eu quero as flores que representam o amor, a bondade, a paciência, a alegria e a perseverança!

Disse então o jardineiro:

– Claro… eu sabia que eram essas que você buscava e já as tinha separado. Aqui estão.

E então entregou um pequeno embrulho, cheio de sementes.

– Mas eu esperava as flores! – disse o velho.

– Aqui não damos flores, apenas sementes. Cultive-as e terás todas elas em teu jardim, algum dia.

– Mas eu estou velho. Temo que não haja tempo para chegar a ver as sementes vingarem.

– Não pense que isso tem a ver com o tempo de plantar e o tempo de colher. Isso tudo acontece agora mesmo, já está acontecendo. Não tente cultivá-las em seu próprio jardim, mas trate de dar essas sementes aos outros, dê a todos o que mais gostaria de cultivar… e a própria natureza se encarregará de plantar, em seu próprio jardim, as sementes da felicidade.

E então o homem acordou, com a estranha sensação de que sua vida estava recomeçando, naquele instante…

 

Adaptação: Roger Alves

Fonte: inspirado no conto “A Loja de Deus”.

 

 

Comentários

  1. Incrível! Lindíssimo! =)

    Sininho em 16 de agosto de 2011 às 7:24 pm

  2. Magnifico conto meu irmão, Parabéns!!

    Douglas em 17 de agosto de 2011 às 10:34 am

  3. adorei a adaptação! ficou ótima! aliás, adoro esse conto “loja de Deus” e sempre vejo que todos nós queremos sempre tudo pronto e não queremos ter nenhum trabalho pra conseguir as coisas

    jac bagis em 29 de agosto de 2011 às 9:41 am

  4. Olá Jac! Que bom que você gostou… A idéia do conto é mostrar que tudo na vida obedece à essa lei de causa e efeito… E como diz Rubinho do Vale: “Quem quiser boa colheita, a melhor receita é ser bom plantador…”
    um abraço!

    Revolução Interior em 31 de agosto de 2011 às 10:36 am

  5. Magnífico, interresante, assim é a vida, devemos sempre fazer e fazer fazer, o irmão Roger Alves é um crack nessas coisas, obrigado meu irmão.
    José Nogueira da Silva, 29.08.11.

    josé nogueira da silva em 29 de agosto de 2011 às 4:14 pm

  6. Muito obrigado sr. Nogueira!! Saudade sua!! Um grande abraço!

    Revolução Interior em 31 de agosto de 2011 às 10:37 am

  7. Legal mesmo. Gostaria de compartilhar um conto:
    http://www.pistissophia.com.br/contos
    Abraço

    Rômulo em 29 de agosto de 2011 às 7:07 pm

  8. Olá Rômulo! Li o seu conto… muito boa a história em si, além de ser muito bem escrito!! E mais… ele revela uma verdade sobre a vida: os momentos em que estamos mais protegidos são justamente aqueles em que nos abandonamos para cuidar dos demais… Parabéns pelo conto e siga escrevendo!

    Revolução Interior em 31 de agosto de 2011 às 10:41 am

  9. “E os jardineiros se reconhecerão entre si: pois sabem que na história de cada planta está o crescimento de toda a terra.”

    Ana em 8 de outubro de 2011 às 4:14 pm

  10. Muito lindo… de onde é essa citação, Ana?

    Revolução Interior em 9 de outubro de 2011 às 11:14 am

  11. Este é um texto do Paulo Coelho chamado construir ou plantar, que segue assim:

    “Cada pessoa em sua existência pode ter duas atitudes: construir ou plantar.
    Os construtores podem demorar anos em suas tarefas, mas um dia terminarão aquilo que estavam fazendo. Então, param e ficam limitados por suas próprias paredes. A vida perde o sentido quando a construção acaba.
    Mas existe os que plantam. Estes, ás vezes sofrem com as tempestades, com as estações e raramente descansam. Mas ao contrário de um edifício, o jardim jamais para de crescer, e ao mesmo tempo que exige atenção do jardineiro, também permite que para ele a vida seja uma grande aventura.
    E os jardineiros se reconhecerão entre si: pois sabem que na história de cada planta está o crescimento de toda a terra.”

    Espero que goste do texto na íntegra, e que ele possa fazer com que reflitamos para plantar nosso jardim, ajustando-nos às intempéries, pois como o texto bem descreve, os jardineiros têm, em todos os dias de sua vida, a tarefa simples e bonita de ver o quão interessante é participar de todo o processo de crescimento de uma flor, pois, talvez, isto passaria ligeiramente despercebido se ganhássemos nossas flores prontas.

    E como diz o pequeno grande príncipe: “foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante…”

    Ana em 10 de outubro de 2011 às 9:53 am

  12. Que lindo!! Muito obrigado por compartilhar… =)

    Revolução Interior em 12 de outubro de 2011 às 12:56 pm

  13. Buenas noites,meu estimado frater,gostei muito deste conto ,assim como dos demais e gostaria de compartilhar um conto com a galera…e assim que vieres pra poa podemos sair pra filosofar e saborear aquela lasanha ou pizza! um forte abraço do teu Irmão de caminhada! Dago.

    Dagomar Moreira em 29 de maio de 2012 às 12:57 am

Deixe um comentário





Bem vindo, visitante!

Cadastre-se em nosso site e tenha acesso a:

  • Área restrita com conteúdos exclusivos
  • Novidades no seu e-mail
  • Descontos e promoções em cursos


Mapa do Site

Fale Conosco

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Mensagem